manchinha

Agosto 30 2005
eu não seria capaz digo-vos já mas esta coisa de chegarem ao pé de nós e falarem de mansinho é de se nos arrepiar a nuca é o que vos digo com a música certa é ainda pior é como se nos colassem a música às entranhas eu pelo menos fico bamba das pernas não sei se já experimentaram isto é que é cá uma coisa a gente gosta e vem tudo aquilo que a gente quer ao nosso encontro quem é que resiste ainda no outro dia estava embrulhada em coisas cá minhas a pensar em trabalho aborrecimentos trivialidades como essas e ouço esta música que querem eu não presto para estas coisas fico logo k.o. não é fácil ser-se forte com uma pedalada destas música alta e uma certa intimidade são ingredientes fatais quase melhor do que ler qualquer coisa que nos agrada tanto que quando acaba temos tanta pena sinto-me assim desde pequena quando me contavam histórias ficava temporariamente inibida de tudo o resto será isto paixão nem nunca entendi que raio é a paixão que já a senti de tantas formas e no entanto parece sempre o mesmo que fazer eu aceito deixo-me ir parece que é para isso que a gente nasce de qualquer forma sou absolutamente incapaz de reistir ora tomem lá


You took your coat off and stood in the rain
You were always crazy like that
I watched from my window
Always felt I was outside looking in on you
You were always the mysterious one with dark eyes and careless hair
You were fashionably sensitive, but too cool to care
Then you stood in my doorway, with nothing to say
Besides some comment on the weather
Well in case you failed to notice, in case you failed to see
This is my heart bleeding before you, this is me down on my knees
These foolish games are tearing me apart
Your thoughtless words are breaking my heart
You're breaking my heart
You were always brilliant in morning
Smoking your cigarettes and talking over coffee
You philosophies on art, Baroque moved you
You loved Mozart and you'd speak of your loved ones
As I clumsily strummed my guitar
You'd teach me of honest things
Things that were daring, things that were clean
Things that knew what an honest dollar did mean
So I hid my soiled hands behind my back
Somewhere along the line I must've gone off track with you
Excuse me, think I've mistaken you for somebody else
Somebody who gave a damn, somebody more like myself
These foolish games are tearing me apart
You're tearing me, tearing me, tearing me apart
Your thoughtless words are breaking my heart
You're breaking my heart
You took off your coat and stood in the rain
You were always crazy like that


'Foolish Games' - Live Acoustic by Jewel & Melissa Ethridge
publicado por manchinha às 20:24

Agosto 16 2005
criatividade.gif


eu hoje sinto-me criativa a vós pode parecer que não que estou na mesma mas não é verdade de facto deixei de me babar a beber água que era uma coisa que fazia tanta confusão à mulher a dias coitada não parava de limpar o chão da cozinha um dia até aterrei com o nariz no ovo estrelado isso é que foi vê-la passar-se por completo aos gritos afoga-se ai que se afoga ó mulher ninguém se afoga numa porcaria de um ovo estrelado que é que está para aí a dizer mas ela insistia foi preciso dar-lhe um calmante felizmente tenho montes de xanax em casa é assim quando as mulheres se queixam muito é nervos toca a drogá-las toca a aviar uns xanax à maneira mais um menos um quen é que se importa depois é a cena de afundar no ovo estrelado claro mas isso são contigências da vida não há bela sem senão que é para saberes que é para não teres ilusões de grandeza complexo de super-homem e essas coisas que te ajudam a acreditar que és diferente dos outros que a ti não te acontece nada claro que não é nada disso fazes e pagas mesmo que não faças pagas na mesma visto que não fizeste há que pagar de qualquer forma a mim já me disseram que foram os protestantes que inventaram essa com o frio que rapam lá no norte e mais a mania que têm de estar sempre a trabalhar porque também não gostam de andar muito vestidos porque parece mal ou porque são pobres vá-se lá saber o que é certo é que acham que tudo se paga só gostava de os ver numa ilha do pacífico à sombra da bananeira a ter apenas de estender o braço para sacar uma bana e matar a fomeca então é que gostava de ver o que inventavam se bem que eu vi muitos que não inventavam nada continuavam a sofrer como se estivessem no frio e o sol não servisse para nada e as bananas fossem o demo deusmalivre há gente tão estranha tão diferente mas que fazer é a biodiversidade como diz o outro o pior é quando alguma biodiversidade resolve tomar por um atalho e extinguir a biodiversidade dos outros isto também tem que se lhe diga mas eu estava era na história do ovo estrelado porque me sentia criativa o pior é decidir-me é meter na cabeça que há que começar uma frase e acabá-la não pensem que é só assim fácil como se diz não tem de haver sentido e trama e princípio meio e fim introdução e epílogo só de pensar nisso tudo assima frio vai-se-me outra vez a criatividade olhem isto assim é difícil não sei bem o que fazer pois se a criatividade é isto que vai e vem por este andar nunca mais crio coisa nenhuma caramba até a dita tem dias
publicado por manchinha às 18:05

Agosto 09 2005
é eu também disse aos meus pais vêem não é só a atrasada mental da vossa filha que é fufa traz-pumba que palavreado é esse à mesa olha que não sou eu é a novela cala a boca sua insurrecta ainda te arranco os dentes ó pai que coisa é na sua novela preferida que raio o homem parece que é surdo ó menina isso são modos de falar ao seu paizinho já para o quarto e nada de jantar mas eu estou a dieta ó gente que a minha namorada não gosta de buchas irra lá vem ela com o disparate ó nulher vê lá se a calas que queroi jantar descansado porra nem a novela posso ver em paz olha agora que o gajo vai descobrir quem ele é larilas mas assim é que eles deviam ser todos respeitadores machos e bons na luta quando se mostram é só saltos e baton parece que andam assim todos os dias quem lhes partisse os dentes é que era agora este não por acaso até gosto até tentou namorar a miúda e tudo assim é que é tem de se ter a certeza não é ó pai mas que é que eu tenho de diferente nunca te ouvi falar assim de mim cala a boca porra que raio ó mulher desaparece daqui com o raio da tua filha caramba não se pode ver nada em paz ó mãe já viu o que ele tá para ali a dizer cala a boca rapariga deixa o teu pai em paz já sabes que le gosta da novela é isso e o futebol não o enerves olha telefonou aquela tua amiga qualq amiga aquela aquela é a minha namorada mãe francamente estou farta de lhe dizer lá estás tu a desconversar que é que isso interessa o que ela é telefonou pronto e o que é que disse olha já não sem fala que se farta nem me consigo lembrar do que diz mas deu-me uma receita e era boa não acabaste de jantar o que é que achaste ó mãe estou a dieta não disse já ainda apanhas é uma fraqueza com essa mania de não comer e de vomitar o que comes à noite que mania têm vocês de ser magras mulher que não é para comer também não é para trabalhar ó mãe eu já te disse caramba que para ser lesbian chique tenho de emagrecer uns vinte quilos que exagero nossa senhora ainda dás em anoréplica como dizem na televisão essa gente que adoece do emagrecimento onde é que já se viu isso passa-te assim que casares e assentares
publicado por manchinha às 15:08

Agosto 04 2005
arder01.gif


o País está a arder não é Paris nem Hemmingway aqui à beira-mar o céu está coberto uma cortina de fumo por cima da cabeça das famílias em férias com guarda-sóis e crianças pela mão a nuvem é a da vergonha o governo é o da vergonha parece o advento do apocalipse só que este não vem em páginas amareladas de papel de bíblia a duas colunas vem pelo céu até às nossas casas ó se eu adivinhasse senhor sócrates não tinha tido filha se eu adivinhasse não tinha tido neta se eu adivinhasse não as sujeitava ao futuro que o senhor e os outros senhores antes de si construíram incêndio sobre incêndio até chegar a este ponto chegar a uma situação em que nem votando se consegue apagar as cicatrizes que os incêndios fizeram na terra e no futuro dos nossos filhos é uma pena que os incêndios são como a cobrança dos impostos pagam os que não têm por onde fugir os que se atravessam no caminho os que não têm pernas para saltar homens ao mar gritará o comandante do navio já enfiado na água e no salva-vidas os ratos foram os primeiros a abandonar o navio na próxima mudança de regime também vão a nado para o Brasil se calhar sempre está mais calor e as praias são mais arejadas lá é só a Amazónia que arde não é problema nosso e toda a gente sabe que é culpa dos países industrializados lá há condomínios fechados onde se podem dar entrevistas com ar magoado não tive nada que ver com isso como sabe não é o papel de um dirigente ao mais alto nível a corrupção era um mal muito enraizado sim claro que houve responsáveis mas esses andam por aí à solta não são como eu que estou aqui a dar a cara e a falar consigo eu não tive nada que ver com isso tentei claro mas eu também tenho família entende também tive de assegurar que nada de mal se passava com as pessoas que dependiam de mim não está a ver o resultado estamos todos aqui tristíssimos impedidos de regressar ao nosso país o exílio é muito sofrido ainda no outro dia estive com o neto do professor Marcelo Caetano...
publicado por manchinha às 10:19

manchas negras, cinzentas e brancas em todos os cantos da nossa vida. que fazer senão chocar de frente com elas e esperar que o acidente tenha consequências notáveis?
mais sobre mim
Agosto 2005
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
31


pesquisar
 
subscrever feeds
blogs SAPO