manchinha

Janeiro 07 2009

tenho uma receita para o amor das que se espalham na boca mesmo ainda antes de estarem prontas enquanto se preparam com ervas exóticas e paladares doces pequenos golpes de tudo o que pode com tantos ingredientes que é preciso muito mais do que uma cozinha para construir uma receita assim uso música flores olhares pela janela intervalos para deixar fugir os pensamentos gosto de demorar a cortar a comida os legumes em pequenas porções pequenas ideias que me acodem meios sorrisos misturar tudo entre golinhos de bom vinho tinto que o branco não me inspira muito açúcar na sobremesa para adoçar os humores que o meu já vai carregado de felicidades preparado para a espuma de um bom café no final e amena cavaqueira olhos nos olhos porque esta receita é de amor e empatias arrepios em partilhas com subtis lampejos nos olhares

publicado por manchinha às 09:45

Janeiro 06 2009

gosto de passar ali ao lado onde vou buscar o leite e o pão depois de ouvir a carrinha do leite a chocalhar pela rua abaixo lá vou eu para a snowley parade correr as lojas e passar à frente do sítio em que põem as flores vêm-me o cheiro de cada ramo que me encanta alegram-me as cores as pintas o cheiro da terra e a frescura dos brancos vermelhos amarelos gosto de flores com a força que têm de manhã da alegria que me inspiram

publicado por manchinha às 14:44

Janeiro 03 2009

estava aqui a pensar enquanto cai a noite como podem passar devagar todas as coisas tempo a mais para quando se está com pressa ou não sendo pressa quando se espera que alguma coisa venha ao nosso encontro e às vezes nem se deve estar à espera mas neste caso não consigo decidir-me acho que devo esperara embora a espera me aborreça e me pareça sempre que estou a perder alguma coisa assim sem fazer nada o que acontece é que também se tem de dar tempo ao tempo só que pergunto eu a que estou eu a dar o meu tempo ou estarei eu a deixá-lo correr a arranjar desculpas para não agir o certo é que sabe bem não estar sempre a tomar decisões que cansativa é a pressão para decidir decidir decidir até parece que não há mais nada para fazer na vida senão decidir mostrar pro-actividade e essas coisas todas que se inventam hoje para dar a impressão que muito ritmo é um bom ritmo é a coisa certa como se soubéssemos o que é a coisa certa quando se cultiva a acção acima de todas as coisas sem outro propósido do que o de parecer que se é activo há gente que nasceu para acção com certeza mas daí a instaurar o culto da acção parece-me um disparate sendo que não se tem grande tempo para pensar quando se é forçado a estar sempre a agir o que é uma arma imensa para quem não gosta que se pare para pensar há-de trazer um grande lucro esta coisa da acção acção acção não reflexão pelo menos para alguns visto que quem não pensa acaba por se sentir de alguma forma justificado nesta coisa dos ritmos activos da vida ai já estou a dizer disparates ou a dizer mal sei lá

publicado por manchinha às 01:58

manchas negras, cinzentas e brancas em todos os cantos da nossa vida. que fazer senão chocar de frente com elas e esperar que o acidente tenha consequências notáveis?
mais sobre mim
Janeiro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
26
27
28
29
30
31


pesquisar
 
subscrever feeds
blogs SAPO