manchinha

Março 22 2004
View image
Nunca consegui ler um livro da Cassandra Rios. Alguns passaram lá por casa, criteriosamente afastados até das prateleiras dos livros para os adultos. Mais tarde, mais velha, nunca consegui deitar a mão a nenhum exemplar.
Imaginem: publicou o primeiro livro aos 16 anos, com dinheiro que a mãe, que nunca leu uma linha escrita pela filha, lhe emprestou. Nos anos 60 e 70 a ditadura brasileira marcou-a como escritora proscrita e perseguiu-a, banindo 36 dos seus romances. Mesmo assim, alguns chegaram a vender 300 mil exemplares, coisa que só o Paulo Coelho conseguiu igualar.
Continuo sem conseguir deitar a mão a nenhum dos livros dela. Conhecem-na? Têm?
publicado por manchinha às 15:09

odeio colecçõesManchinha
(http://manchinha.blogs.sapo.pt)
(mailto:yrleathergrl@web.de)
Anónimo a 3 de Abril de 2004 às 01:58

obrigada. referia-me mais a books. quando vires algum por aí perdido, avisa-me, que colecciono ***Manchinha
(http://manchinha.blogs.sapo.pt)
(mailto:yrleathergrl@web.de)
Anónimo a 3 de Abril de 2004 às 01:58

Pronto, tens aí tudo o que me foi possível arraanjar sobre Odete Rios (Cassandra Rios é pseudónimo).

PilantraX
</a>
(mailto:)
Anónimo a 3 de Abril de 2004 às 01:00

http://geocities.yahoo.com.br/edterranova/cassandra3.htmPilantraX
</a>
(mailto:)
Anónimo a 3 de Abril de 2004 às 00:58

http://geocities.yahoo.com.br/edterranova/cassandra2.htmPilantraX
</a>
(mailto:)
Anónimo a 3 de Abril de 2004 às 00:57

http://geocities.yahoo.com.br/edterranova/cassandra.htm
PilantraX
</a>
(mailto:)
Anónimo a 3 de Abril de 2004 às 00:56

Morre em SP a escritora Cassandra Rios

São Paulo - Morreu no dia 08/03/2002 em São Paulo, no hospital Santa Helena, a escritora Cassandra Rios, autora de "A Tara" e "Tessa, a Gata", entre outros. Nascida em 1932 com o nome de Odete Rios, ela foi uma das autoras mais vendidas dos anos 60 e 70 - e também das mais perseguidas pela censura. Estreou com "Volúpia do Pecado" (1948) e foi um sucesso popular com incontáveis livros, ao lado da também considerada pornógrafa Adelaide Carraro (autora de "Adelaide no Mundo com Sílvio Santos").
Chegou a vender quase trezentos mil exemplares de seus livros por ano, números que só seriam rivalizados por Paulo Coelho. Misturava em suas obras homossexualismo feminino, cultos umbandistas, negócios e política, combinação que não respeitava o "bom gosto" que o regime militar desejava preservar. Com a abertura, um de seus livros, "A Paranóica", foi adaptado para o cinema, com título de "Ariella". Ariella (Nicole Puzzi) era uma menina rejeitada que vivia numa mansão e que descobre que seu tio fingia ser seu pai para ficar com sua fortuna. Para se vingar, passa a usar o próprio corpo, desintegrando a família.
Cassandra queixava-se de confundirem suas obras com sua vida. Numa entrevista recente à revista TPM, afirmou: "O que mais me incomodou foi me encararem como personagem de livro. Então, não tenho capacidade para ser escritora?!". Cassandra foi enterrada no cemitério de Santo Amaro (SP).

Pilantrax
</a>
(mailto:)
Anónimo a 3 de Abril de 2004 às 00:52

Cassandra Rios - O anjo pornográfico sai de cena

por Vange Leonel

Sexta-feira, dia 8 de março de 2002, dia internacional da mulher, morreu a mais polêmica escritora brasileira: Cassandra Rios. Ela publicou seu primeiro livro aos 16 anos, com a ajuda de sua própria mãe. Um detalhe: quando morreu, a mãe jamais havia lido um livro da filha, a pedido desta. O motivo: os livros eram muito picantes, a maior parte deles repleto de lesbianismo.
Filha de espanhóis, nascida e criada no bairro paulistano de Perdizes, Cassandra Rios se chamava, na verdade, Odete. Assinava seus livros sob pseudônimo por motivos óbvios, que o tempo comprovou: Cassandra teve, ao longo de sua carreira, 36 dos seus livros proibidos pela censura do regime militar. Não bastou ser a maior vendedora de livros do país, com recordes de 300.000 cópias vendidas, número surpreendente para os anos 60: Cassandra foi perseguida pela esquerda e pela direita, tachada de pervertida pelos defensores da moral e acusada de conservadorismo pelos que lutavam contra a ditadura. Primeira escritora a desfrutar de uma popularidade que a fazia convidada de todos programas de tv, comparecia também de smoking em festas, recebida pelos governadores da época. Foi pop e cult ao mesmo tempo. Depois de chamar a atenção de todo o país durante os anos 60 e 70, resolveu retirar-se de cena. Tornou-se messiânica e conseguiu reencontrar Odete, sem matar Cassandra.
Em homenagem a esta figura polêmica, nada melhor que ouvir Cassandra nas palavras da própria Odete. Os trechos abaixo foram tirados de seu último livro, “Flores e Cassis”, uma coleção de textos de gaveta, um verdadeiro apanhado auto-biográfico, com recordações de sua trajetória:

“Ponho-me alerta contra meus perseguidores, pois já lhes sinto o mal cheiro ou mau cheiro? Mau-cheiro! De todo modo é coisa ruim de se respirar! Despertam feras nauseabundas com suas afiadas presas preparadas, farejando minha inesperada sutil chegada. Sorrateiras rastejam, armando o bote para morderem-me pelos calcanhares, pois são tão baixas, andam tão encolhidas, que outro ponto não alcançariam, senão o vulnerável secreto calcanhar de Aquiles que pensam eu tenha!”

“Me batizaram de Demônio das Letras, Papisa do Homossexualismo, uma dama de capa e espada, seduzindo e corrompendo. Vestiram-se e revestiram-se como decorosos santos, e no entanto, tudo ao redor dessa gente fede. Fede! Os metidos a sábios da Literatura! Mais aparecem eles do que suas obras!”

“Minha mãe... vestia-me de anjinho, com uma roupinha azul muito linda, quase perfeitas asas, na cabeça uma coroinha de Cristo... As asas, de lindas peninhas azuis, de seda, pesavam bastante e às vezes os seus ganchos prendedores me arranhavam as costas, o que me fazia pensar - puxa, como os anjos sofrem! Comentei isso com minha mãe e no ano seguinte, não sei como ela arranjou isso, as asas não pesaram tanto e não me arranharam as costas. Ou seria que eu crescera, e ficando mais forte pudera suportar mais o peso delas?”

“Quis mostrar como se divide e identifica-se, manifesta-se, compactua e ataca, silencia e condena levianamente a Homossexualidade , sem entenderem do assunto coisa alguma, pois não há o que entender, mas que respeitar, aceitar e admitir que todo ser humano tem o Direito de Viver a própria Vida, do jeito e objetivo para os quais nasceu.”

“Até bofetada de delegado, na cara, levei. O que mais temiam? Já não estava eu proibida? Hoje entendo. Ruminavam que eu precisava ser algemada, amordaçada, enxovalhada de todas as humilhações, desacreditada na minha conduta moral, para denegrirem meu talento e consagrarem suas aleivosas pessoas! Verdade que, na época, assim diziam, só eu vendia! O público consumidor via, só nas páginas dos meus livros, gente com as quais hoje cruzam nas ruas, livres, sem ter que disfarçar e pagar pelo que nasceram.”

“Eu estava cutucando a onça com vara curta, diziam-me, provocando e convocando, criando uma situação que detonava manifestos e atrevimentos de certas personas non gratas pela sociedade. Os homossexuais! Era certo que eles me adoravam, eu os endeusava! Tacharam-me até, naquela época, de Rainha das Bichas!”

“Um outro delegado picou diante dos meus olhos Nicoleta Ninfeta (outro best-seller de Cassandra) e ameaçou ´é isso que vamos fazer com todos os seus livros e queima-los em praça pública!`. Um arrepio percorreu-me. Seria eu a reencarnação de Safo, a grande poetisa de Lesbos, cujas obras o Papa Gregório VII, cheio de ódio mandou queimar, seus riquíssimos versos, numa fogueira, em praça pública, epitalâmios, himeneus, poesias, excomungando a mais célebre poetisa do mundo”.

“Depois de tudo isso, perguntaram-se por que parei! Eu não parei! Eu apenas estava esperando, sentada em meu jardim, se é que são capazes de entender meus simbolismos, aliás, todos que quiserem os entenderão sem esforço algum. E fiquei, esperando e esperando. Passaram dez, quinze, mais de vinte anos! Eu estava sentada no jardim do meu mundo interior, aguardando que tudo voltasse ao normal, que baixasse a febre, que do mesmo jeito que surgiu fosse embora o enlameante vendaval. Que ocupasse a liderança em vendas, polêmica, fama, um novo escritor. Coitado! Por certo, atrás dele, os abutres, meus perseguidores, esquecendo-se de mim avançariam...”

“Como mulher, eu sou, na definição exata de como me sinto, uma menina medrosa que se escondeu atrás de um pseudônimo, que se assustava e tinha medo de tudo, e hoje não tem medo de nada! ... Adormeci num sonho, enveredando por pesadelos, para viver escudada na fantasia de ser Cassandra! Despertei dos pesadelos e livrei-me do sonhos de ser Cassandra para a realidade de Odete! A verdadeira que sou!”.

“Anjos não somem - revezam-se!”

PilantraX
</a>
(mailto:)
Anónimo a 3 de Abril de 2004 às 00:51

Vou tentar.PilantraX
</a>
(mailto:)
Anónimo a 2 de Abril de 2004 às 22:39

manchas negras, cinzentas e brancas em todos os cantos da nossa vida. que fazer senão chocar de frente com elas e esperar que o acidente tenha consequências notáveis?
mais sobre mim
Março 2004
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
17
18
20

21
25
26
27

28
31


pesquisar
 
blogs SAPO