manchinha

Setembro 28 2005
eu gosto das minhas dúvidas sem sombra de dúvida gosto de as cozinhar cá dentro enquanto acumulo barris de petróleo e pólvora prontos a explodir à mínima faísca nunca gostei de brincar aos bombeiros sempre achei que não há glória nenhuma em ser-se voluntário de causas tão angustiantes como fogos e desastres e catástrofes faz-se o que se tem de fazer mais nada mas ainda gostava de saber quem é que inventou o voluntariado a tempo inteiro porque a mim cheira-me que é mais uma coisa de exploração à custa da consciência é assim primeiro há que lhes amassar e anular completamente a auto-estima e depois toma lá um trabalho como voluntário para experimentares o bem que sabe fazer bem é uma falácia mas vais aparecer um dia na televisão a ser louvado pelo altruísmo batem-te palmas e tocam-te nas costas durante dez minutos além disso ninguém vai querer saber se tens contas de electricidade atrasadas ou comida suficiente no frigorífico se vens a pé para o trabalho porque não tens um tostão ou se no próximo mês te vão buscar a mobília a casa isso é que era bom os heróis que se aguentem à bronca pois então por isso é que gosto das minhas dúvidas são uma espécie de património intocável o vizinho do lado pode ter um montão de dúvidas mas as tuas são só tuas raio há lá agora duas dúvidas iguais neste mundo digo-te eu que são como as impressões digitais montes de diferentes sempre diversas porque aumentam e diminuem expandem-se ou apagam-se conforme comeste mais ou menos porrada do teu pai se o teu patrão perdeu mais ou menos tempo a humilhar-te sistematicamente à frente de todos se decidiste ou não que lhe rebentavas as fuças e até deste um passo mas lixaste-te ainda mais claro o que é que estavas à espera se os teus objectos de desejo te deixaram ou não apalpá-los no escuro ou quando mais ninguém estava a olhar ou levaste uma valente estalada também pode ser que isto de se ser amado não tem correspondência com coisa nenhuma bem falam nessas tretas da fusão entre dois amantes e o diabo a quatro mas não é verdade pura e simplesmente não é verdade porque o que geralmente acontece é que cada um curte a paixão à sua maneira e quanto mais conheces a outra pessoa mais dúvidas tens de que seja o mesmo estás a ver onde entram a porra das dúvidas como são importantes mesmo onde não deviam ser pois aí tens o que te tenho estado a dizer desde o princípio as dúvidas são um capital do caraças são fé pura e simples ou muito muito mais porque tu tens normalmente dúvidas sobre a tua fé mas nenhuma fé nem queres ter caramba fé nas tuas dúvidas ora eu gosto de dúvidas e agarro-me a uma qualquer por pequena que seja que elas são mais certas que todas as certezas juntas que a cem por cento ninguém tem certeza de coisa nenhuma essa é que é essa eu até arranjei um sistema de classificação das dúvidas por cores conforme são frias quentes ou complexas se são leves ou insidiosas se te agarram pelos fundilhos e te dão cabo da vida ou podes encolher os ombros e atirá-las para o canto como um pedaço de lixo não é fácil acarinhar uma dúvida mas digam lá a verdade se não é óptimo ter uma dúvida a ocupar-nos o tempo
publicado por manchinha às 08:02

GNR? Mulheres de fardas... Isso é comigoooooo!Julinha
</a>
(mailto:julinha@hotmail.com)
Anónimo a 1 de Outubro de 2005 às 07:33

a gente... mas afinal as meninas são todas da polícia? por favor digam-me ke não ke já estou com calafrios, serão do corpo feminino da GNR, qto à minha cartilha o ke é ke acha? kik
</a>
(mailto:)
Anónimo a 30 de Setembro de 2005 às 11:55

muito folgo querida amiga muito folgo mas não se exceda em expectativas que eu trato logo de as vaporizar de cepticismo decomposto em biodegradabilidades se faz favor e que raio arranje lá um email inócuo para onde a gente a possa dirigir os insultos quando a menina se põe para aí a fazer de conta que é tia e esses horrores aprendidos em não sei que cartilhaManchinha
(http://manchinha.blogs.sapo.pt)
(mailto:e_manchinha@sapo.pt)
Anónimo a 29 de Setembro de 2005 às 17:45

ai senhora bendita seja entre nós ke se evaporou a minha dúvida qto a si e as restantes...voltei a acreditar em sikik
</a>
(mailto:)
Anónimo a 29 de Setembro de 2005 às 17:08

é o preconceito menina é o preconceito pois o que havia de ser é claro que é confrangedora essa imagem que nos propõe das criancinhas de cabeça rapada e tez amarelada à espera da hora da quimio no ipo sabe mas não era a isso que eu me referia como calculo que não era a isso que as restasntes participantes se referiam a gente não vota é nas tias de preocupações generalistas assim como a lux e a caras sendo que têm o seu papel pois têm e o voluntariado também não é o de quem pode e tem tempo para dispensar não senhora é o de quem não pode nem tem tempo e mesmo assim dispensa não sei se me faço entender que coisa esta a das dúvidasManchinha
(http://manchinha.blogs.sapo.pt)
(mailto:e_manchinha@sapo.pt)
Anónimo a 29 de Setembro de 2005 às 16:53

ainda estou com os cabelos em pé e eriçados - solidariedade e voluntariado um verbo de encher...DÚVIDO.. convido-as a irem ao ipo/infantil, independentemente de ser altas, loiras, morenas, ricas ou pobretas e sentirem o significado de umma visita, de um olhar e de um abraço ou de um momento de atenção... deus ke fiquei petrificada... aí as dúvidas metódicaskik
</a>
(mailto:)
Anónimo a 29 de Setembro de 2005 às 10:50

Às vezes tenho dificuldade em seguir o que tu escreves. Caramba. Então nesta das dúvidas...Joca
</a>
(mailto:e_manchinha@sapo.pt)
Anónimo a 29 de Setembro de 2005 às 07:56

Eu cá não gosto de voluntariado nem de peditórios.
Sabem-me às taxas do lixo mais à separação do lixo, etc e tal. Pago a taxa do lixo, separo o lixo, sou muito cumprimentada. O pessoal do lixo não faz falta vai à vida para outro lixo e depois privatiza-se a limpeza. E eu fico a pagar a taxa do lixo e a arrumar o lixo e os donos do lixo é só irem buscá-lo onde o arrumámos e depois vão vendê-lo já escolhido e bem acomodado a quem der mais. Ricos subsídios encapotados, rica vida.
E sabem o que são resíduos sólidos? Somos nós cobertos por uma laje, geralmente mármore ou aproximação. Pois agora passaremos a ser cobertos por relva, o que eu prefiro até para olhar. Mas o negócio não é de olhar. É de sacar o mármore e vendê-lo para a transformação nas mais variadas peças. Milhares de toneladas de mármore pagas pelas famílias que lá as colocaram são «privatizadas» por interessados vários e expeditos.
O voluntariado para mim são aquelas senhoras louras todas penteadas que nos hospitais fazem perguntas parvas aos doentes a tapar a falta de pessoal para cuidar dos doentes. E são a prova de que os doentes são uns malcriadões que as mandam à merda do meio do seu desespero quando elas são tão finas e delicadas e, principalmente, tão condoídas deles.
E os peditórios? São para alguém pagar aquilo que entende, extra orçamento do que quer que seja. Uma variante de saco azul.
Apela-se à solidariedade de todos nós para com os pobrezinhos enquanto se lhes retira o pouco a que tinham direito através dos nossos impostos. Mais curioso ainda: pagamos cada vez mais impostos -- para quem? Para quem precisa, não é.
Samartaime
(http://abracadabra.weblog.com.pt/)
(mailto:samartaim@yahoo.com)
Anónimo a 29 de Setembro de 2005 às 01:10

Borradela, esta gente é assim, não ligues: passam-te a mão pelo pêlo - e muito justamente, deve dizer-se, porque escreves como uma rainha - mas ninguém comenta nada do que leu (quer dizer, eu não sou exemplo, mas reparo nessas coisas)Julinha
</a>
(mailto:julinha@hotmail.com)
Anónimo a 28 de Setembro de 2005 às 17:06

ou seja, no meio de tantas dúvidas não há dúvidas que ninguém duvida que a Manchinha e a Borradela escrevem bem, certo?
alguém
(http://nasha.blogs.sapo.pt/)
(mailto:SuperNasha@hotmail.com)
Anónimo a 28 de Setembro de 2005 às 15:36

manchas negras, cinzentas e brancas em todos os cantos da nossa vida. que fazer senão chocar de frente com elas e esperar que o acidente tenha consequências notáveis?
mais sobre mim
Setembro 2005
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
21
22
23
24

25
29
30


pesquisar
 
blogs SAPO