manchinha

Janeiro 08 2008
sei que voas quando não estamos a olhar sei que sobes feres o ar com o teu corpo feito cometa magia alegria e voas atravessas vertiginosamente vales montanhas oceanos sentes os salpicos salgados das ondas os ventos indomáveis os dedos húmidos das nuvens o cheiro das florestas o som da terra que te aplaude eu sei que voas as tuas viagens são felicidade liberdade quando não estamos a olhar o teu corpo só a ti pertence solto em qualquer lugar onde haja espaço para a tua força energia luz sentida em cada fibra cada centímetro das asas imaginárias porque tu não precisas de asas voas e não precisas de nada de ninguém de rumo de estradas traçadas estudadas porque o teu destino é apenas teu quando não estamos a olhar e quando regressas sei que estás comigo porque a tua pele brilha ao meu lado na sombra enquanto o sono toma conta de ti e suspiras enquanto puxo o lençol devagarinho como um véu sobre a tua aventura
publicado por manchinha às 20:28

manchas negras, cinzentas e brancas em todos os cantos da nossa vida. que fazer senão chocar de frente com elas e esperar que o acidente tenha consequências notáveis?
mais sobre mim
Janeiro 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
19

20
21
23
24
25
26

27
29


pesquisar
 
subscrever feeds
blogs SAPO