manchinha

Março 16 2004
No princípio era o caldeirão e toda a gente vivia em Babel, uma espécie de centro comercial 'à la antiga'. Acho que até tinham loja do cidadão e tudo. Depois veio a invasão dos marcianos, que posteriormente havia de inspirar Átila, o Huno, e foi um salve-se quem puder, assim ao jeito do Dia da Indepêndia, 5º Elemento e por aí. Tipo, a gente sabe o que é um filme de acção, com um mínimo de enredo (não porque não haja história ou o que contar, mas porque o contador de serviço está a empatar ou então, de má fé porque a equipa dele perdeu o derby, resolve saltar todas as partes verdadeiramente significativas enquanto se embrulha com um KFC à frente do argumento). Nesta história de Babel foi assim que sucedeu, nem recortes de jornal nem pedregulhos gravados deixaram grande coisa. Também... Para os fãs das invasões marcianas, basta saber-se que o fogo veio do céu e que há algumas hipóteses dos invasores chegarem de vermelho... Pois, mas como ia dizendo, depois de Babel, com aquele fogo de artifício todo, os únicos senhores disponíveis eram (não os MIB, que esses vestiam de preto) os de cinzento, uma raça que resulta de um híbrido que ficou a meio caminho entre os chatos e os mangas de alpaca. Mas, adiante, que este conto ainda é grande. Os senhores cinzentos inventaram uma coisa que se chamava a Idade Média que, na primeira versão, era a Idade Medíocre. Só que para o povo entender era mais fácil abreviar e assim sempre tinham mais tempo para apreciar a realíssima chatice a que os votavam os homens de cinzento. É claro que os chatos também têm as suas vaidades. Depois de nos terem feito engolir toda a casta de tédios na forma de normas religiosas, cruzadas para equilibrar a demografia e queimas de bruxas que eram assim que a modos uma espécie de revista à portuguesa, só que ao vivo e a cores porque nessa altura ainda não se tinha inventado a televisão sem cheiro (e para quem estava habituado ao fedor da urina na rua e na roupa só podia ser mesmo com cheiros pró fortito...), depois, como dizia eu, destas políticas de valor artístico duvidoso, o mercado foi abaixo, claro está. Entrou-se então numa fase de recuperação em que os cinzentões aproveitaram para lançar a Renascença, que não passou, na verdade de uma manobra de diversão para poderem andar com umas corzitas mais gabirús, assim com a assinatura do Da Vinci, um antepassado do Versace que teve de vender a patente das máquinas voadores ao senhor da Virgin (que agora anda de balão só para contrariar). Enfim, depois disso, ainda houve uns foguitos de artifício com o senhor Henrique oitavo, assim chamado porque as suas respectivas nunca chegaram sequer aos quartos de final nem às semi-finais, que fazia com as pikenas o que os ingleses hoje tanto criticam aos árabes. Isto tudo para chegar a um tipo baixinho e com ar pindérico que era contra o 'melting pot' e tinha a mania de dobrar as pontas das cruzes. Os americanos, que sempre foram contra essas mariquices, inventaram o 'melting pot' deles e franchisaram-no pelo mundo inteiro. Só que se descobriu que afinal aquilo era um esquema de pirâmide, ainda por cima com um defeito de fabrico que anda para aí a rebentar pelas costuras. Ai... esqueci-me de traduzir: à portuguesa, o 'melting pot' é outro híbrido, um arraçado de sopa de cozido e chuva de pedras, em que a gente é que apanha com os calhaus enquanto os da colher rapam os fundos. E agora já não me lembro a propósito do que é que isto vinha...
publicado por manchinha às 15:07

De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres




O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

manchas negras, cinzentas e brancas em todos os cantos da nossa vida. que fazer senão chocar de frente com elas e esperar que o acidente tenha consequências notáveis?
mais sobre mim
Março 2004
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
17
18
20

21
25
26
27

28
31


pesquisar
 
subscrever feeds
blogs SAPO