manchinha

Outubro 03 2005
ranhocas.jpg


eu por acaso tinha outra coisa em vista isto é estava a pensar noutra forma de compensar os esforços sabem daqueles que fazemos sempre que nos largam por aí na vida sendo que a arbitrariedade do critério de recompensas tem o condão de me deixar perfeitamente intranquila e isso tem montes de razão de ser não acham onde é que vocês viram alguém ter a justa recompensa por exemplo do suor de uma vida inteira do ter porfiado toda a sua vida pela causa em que acredita etc etc quem é que vocês já viram digam lá a receber uma recompensa vinda dos céus assim a descer como os anjos nos cenários dos teatros que a gente bem vê a corda que eles têm e a corda que lhes dão mas faz-se de conta que não que são verdadeiros e podem mesmo pairar do tecto do teatro até ao palco mesmo e apesar das perucas loiras aos caracóis um dia estava na plateia com uma amiga e ela começou a meter o dedo no nariz quando um anjo desses andava por ali a pairar corda acima e corda abaixo e ela a meter o dedo no nariz e a escarafunchar e a fazer de conta que comia as macacas o que era quase verdade só que naquele dia não era só a brincar e se queriam ver o anjo a pairar e a ter ataques de vómitos só de olhar para ela nem fazem ideia até a peruca se torcia pendurada de lado porque o desgraçado estava mesmo com vontade de vomitar porque ele podia fazer de conta claro e andar para ali a subir e descer preso a uma corda que toda a gente inclusive ele achava que estava a fazer um figuraço e afinal nem por isso mas ela a minha amiga a fazer de conta que comia as macacas fresquinhas acabadas de pescar do nariz isso não ele não aguentava e dava uns sacões assim com os vómitos que pôs toda a gente quase a vomitar também porque não é fácil digo-vos eu não é mesmo nada fácil ver um anjo de fancaria aos vómitos pendurado numa corda aquilo foi um ver quem se pisgava mais depressa muita gente aos vómitos por ali fora já para não falar nas pessoas que estavam mesmo ao nosso lado e estavam a ver a muito curta distância as macacas ainda meio líquidas e brilhantes de nhanha a transitar muito calmamente das pontas dos dedos da minha amiga para a boca a língua à espera gulosa para apanhar os nacos transparentes e também azulados que lhe saíam do nariz eu sempre me espantou como é que ela fazia aquilo onde é que ela ia buscar tanta ranheta mas quando era preciso lá estava ela naquilo é claro que a peça acabou ali e puseram-nos fora com muito maus modos embora eu não tivesse culpa de nada mas estava solidária com ela claro não ia deixá-la arcar sozinha com as culpas afinal de contas até tinha sido giro vê-la dar assim conta de um teatro inteiro com tudo o que é gente a tentar vomitar não se sabe bem o quê porque era ela que estava a comer a ranhoca e não eles mas pronto as pessoas fazem sempre o que acham que devem fazer não há motivo para se ficar a pensar mal deste ou daquele por causa disso se querem assim que seja assim até porque de outra vez foi bem pior foi no metropolitano à hora de ponta e estávamos tão apertadas que a princípio nem percebemos bem como é que entrámos íamos para aí no marquês e ela pôs-se a fazer o mesmo a tirar macacas do nariz a revirar os dedos para virem bem grandinhas que se vissem claro só que desta vez não as comia atirava-as para todo o lado e era ver aquela gente toda que já não tinha espaço para se mexer mesmo assim a conseguir recuar recuar e a chegar-se para trás e de repente estávamos praticamente sozinhas no nosso canto da carruagem com uma clareira de quase metro e meio à nossa volta claro que ela continuava a atirar as ranhocas para ali e acoli e ninguém dizia nada era praticamente um milagre à hora de ponta estarmos assim à larga nem eu dizia nada olhava para o lado que aquilo também me fazia impressão e não queria vomitar como os do teatro porque se uma coisa é verdade é que aquilo dá mesmo vómitos e é preciso uma grande ginástica mental para não se ligar nenhuma mas foi a primeira vez que eu vi a recompensa de um tão grande esforço porque ela a minha amiga quase ficava com o nariz em sangue de tanto esgravatar para sacar as ranhocas
publicado por manchinha às 23:15

ora que coisa meninas isto só pode ser discriminação então não vêem que esta é uma história verídica ninguém tem necessidade de inventar uma coisa destas pois então passa cá um cigarro sammy por favor já tenho saudades sabes agora que dei em deixar de fumar digo-te esta coisa das ranhocas é pior do que antesManchinha
(http://manchinha.blogs.sapo.pt)
(mailto:e_manchinha@sapo.pt)
Anónimo a 5 de Outubro de 2005 às 22:55

Desculpa lá mas eu vou ali comprar cigarros...Samartaime
</a>
(mailto:samartaim@yahoo.com)
Anónimo a 5 de Outubro de 2005 às 20:16

pois é, depois ainda me vai dizer ke lá está ela com a snobeira, mas amiga, ao teatro ou a qq lado há ke saber kem se convida senão é isto, tira daqui, mexe dali, cospe mais ali, palita aki, sorve assim.... e por aí alémkik
</a>
(mailto:)
Anónimo a 4 de Outubro de 2005 às 16:22

Alguém, quando saires da casa de banho avisa que eu acho que não aguento muito mais sem vomi... vomi... argh!Assumida Mente
(http://www.assumidamente.blogspot.com)
(mailto:assumidamente@iol.pt)
Anónimo a 4 de Outubro de 2005 às 14:26

Escatológico, pois claro!Julinha
</a>
(mailto:julinha@hotmail.com)
Anónimo a 4 de Outubro de 2005 às 11:09

vou ali vomitar, e já volto

:Salguém
(http://nasha.blogs.sapo.pt/)
(mailto:SuperNasha@hotmail.com)
Anónimo a 4 de Outubro de 2005 às 09:44

manchas negras, cinzentas e brancas em todos os cantos da nossa vida. que fazer senão chocar de frente com elas e esperar que o acidente tenha consequências notáveis?
mais sobre mim
Outubro 2005
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
12
13
14
15

16
18
19
20

23
25
26
27
28

30


pesquisar
 
blogs SAPO